terça-feira, 28 de outubro de 2008

Ainda sobre a Escola Superior de Basto

Se a região de Basto não tem a proximidade de uma grande cidade, para a servir como meio de interacção ou produzir para a mesma, se não está próxima do litoral para apostar no turismo balnear e no mar, acho que se deve voltar ,de uma vez por todas para o desenvolvimento das suas especificidade, a apostar na construção de um futuro a longo prazo, em que devemos repensar as politicas em que se tem apostado que não a tem desenvolvido da melhor forma. O futuro passa mesmo pelo conhecimento e enquanto este não for a APOSTA CENTRAL das autarquias, não deveremos colher os frutos desejados, sobretudo na fixação e atracção de empresas. Sei que há esboços por parte das autarquias e ligações a unidades de investigação que estão fixadas fora da nossa região, por isso neste capitulo e em mais um esforço para concertar Basto poderiam tentar atrair esses pólos para a região e ao mesmo tempo atrair também donos do conhecimento e criar condições para estes se fixarem por cá, pois estes regra geral têm uma capacidade dinamizadora que falta á nossa terra. Ainda no capitulo da Escola superior de Basto, penso que este processo se poderia iniciar com a atracção de um bom pólo de investigação que apoie e desenvolva a economia local. Assim teríamos uma espécie de semente lançada á terra para crescer e fortalecer o espírito de aposta na investigação para apoiar posteriormente a elevação a escola Superior, por exemplo da Escola Profissional de Fermil que me parece estar a perder espaço na rede de ensino da região com a “fuga” de alunos ou formandos para os Centros de Formação e Centros de Novas Oportunidades que estão a emergir por toda a região. Se criarmos uma rede de cooperação entre estas partes podemos ter dentro de poucos anos bons profissionais a ocupar cargos com algum relevo nas empresas da Bio-energia , Turismo, Agricultura, Floresta etc. que se estão a fixar de forma relevante na nossa região. É preciso que a escola assuma um papel de farol e torre de vigia ao mesmo tempo, e pelo andamento das coisas parece-me que daqui a alguns anos vamos ter uma percentagem bastante elevada de pessoas com o 12 ano. É preciso pensar no futuro desta gente e criar condições para que seja promissor, e possivelmente conjuga-lo e envolve-lo com o da nossa terra, para que esta seja também uma terra de futuro. Mas da mesma forma que é preciso concertar Basto, e criar condições para que este projecto seja viável, como atrair pólos do conhecimento, é preciso também construir uma ligação sólida entre empresas e rede de ensinos, que possam alargar os seus laços ao tempo pós estágio, é preciso formar bem para que as empresas se venham a fixar cá com a razão de que é cá que está a matéria prima das sua produções e é também por cá que são formados os melhores recursos humanos nessas áreas. Devíamos apostar no conhecimento, na formação de pessoas antes de criarmos os grandes pólos industriais, estamos a por “o carro á frente dos Bois”, pois sabemos que a nossa região perde para outras no capitulo da localização, temos por isso que evidenciar esta aposta nas especificidades locais, que estão aqui instaladas à séculos, por isso temos neste capitulo apenas de fortalecer ou revitalizar ou fazer upgrades ao conhecimento empírico já adquirido por experiencia das nossas gentes, e criar nichos para atrair para a região, através da sugerida Escola Superior por exemplo, de pessoas com conhecimento ou predisposição para aprender, que gostam destas áreas, formando-os e dando formação para apoiar os já residentes, que sinceramente me parecem ainda muito desamparados e desapoiados no desenvolvimento dos seus negócios ou produções. Não basta dar incentivos e estímulos monetários, é preciso ensinar a que as próprias empresas sejam capazes de os conseguir sozinhas.

2 comentários:

Paulo Vieira disse...

Foi na então Escola Secundária de Fermil de Basto, que cimentei os meus alicerces profissionais num curso Tecnico-Profissional de Contabilidade e Gestão. Acabei por me licenciar em Contabilidade e hoje exerço a actividade de Tecnico Oficial de Contas. A Escola de Fermil foi essencial no meu percurso académico e profissional, foi a rampa de lançamento e considero-me um exemplo do bom ensino profissional que se fazia no final da década de 80. Infelizmente hoje vemos muito formação mas nem toda boa formação. O investimento é feito mas o retorno esperado nem sempre é conseguido.

Pela sua tradição de ensino profissional penso que seria uma excelente aposta para Escola Superior de Basto. Porque não ministrando por exemplo uma licenciatura em Enologia em parceria com a UTAD, ou em Turismo com enfase especial no turismo da natureza onde penso que a região tem muito potencial.

São ideias mas é de ideias que nasce o progresso que a região necessita. Penso que este progresso só será possível quando tivermos os 4 concelhos da Região de Basto a remar no mesmo sentido.

Carvalho Leite disse...

E é de ideias e pensamentos que se faz este blog, quer da minha parte quer daqueles que tem a amabilidade de comentar, e é preciso ideias para desenvolver a nossa terra, a questão das região de basto concertada, é muito difícil de conseguir, pois os autarcas, com poder q.b. não se entendem em objectivos a alcançar e estão dividido por NUT e distritos distintos, e uns dizem que são de basto nuns dias e nos outros interessa-lhe que defendam a causa dos seus concelhos em detrimento do desenvolvimento de todos.
Por isso acho que se deveriam unir em esforços para conseguir algo que fosse de todos e para desenvolver todos, independentemente da localização de o equipamento A ou B
Cumprimentos